16 Coisas que Aprendi com um Projeto Missionário

Por Mariane Raquel

Esta lista surgiu a a partir de um projeto missionário pela Cru Campus, em Volta Redonda, no Rio de Janeiro no ano de 2016.

1. Deus,  o Alfa e Ômega, se agrada em me ensinar, uma pessoa ainda tão orgulhosa, a receber de graça determinadas coisas. Houve uma infusão mais profunda da perspectiva do Reino desde o primeiro momento em que me dediquei a levantar o sustento pra ir pra esse que foi o meu primeiro projeto.

2. Apesar de tanta coisa ruim presente no meio “cristão”, há pessoas que verdadeiramente acreditam, apostam e vivem pra esse Reino! Diversos irmãos me deram tantos exemplos maravilhosos desde contribuições financeiras até orações e acolhidas em suas casas.

3. As ofertas financeiras que recebi foram como um maná: sempre suficientes e no tempo certo para o que eu precisava fazer; nunca a mais ou a menos. Isso me fez crescer em confiança no Provedor!

4. Como uma semente de mostarda, eu não fazia ideia da grandiosidade da experiência que Deus me reservara! Dessa maneira, consigo entregar, em paz e alegremente, todos os meus caminhos e planos a Ele, que é soberano e infinitamente amoroso.

5. Ele também me mostrou que, durante o tempo de projeto, eu não deveria buscar ter experiências simplesmente pra ter o que falar depois, mas sim para melhor conhecê-Lo e torná-Lo conhecido. O foco do evangelho é o próprio Jesus. Ele é maravilhosamente suficiente.

6. Minha ida pro RJ correspondeu à minha primeira viagem de avião na vida inteirinha!! Ainda no aeroporto daqui de Natal, fiquei pensando sobre como Jesus havia se sentido no caminho para o Gólgota, para a crucificação. Medo, dor, amor, doação… E já dentro do avião, escrevi: “quando olho o céu daqui de cima, me admiro com a grandeza de Deus! Eu acho que é mais fácil pra mim pregar o evangelho do que pular daqui de cima. E, se Ele controla até as nuvens, por que eu me envergonharia da pregação?”, rs.

7. O nosso projeto foi guiado pelo seguinte lema: orar, cuidar e compartilhar. E como Deus me ensinou!! :’) Devo deixar-me ser cuidada por Deus e pelos outros (algo bem difícil pra mim), bem como cuidar das mais diversas formas. E se engana quem pensa que cuidar está longe de se sacrificar! Nos mínimos detalhes, fui percebendo a beleza do amor: mainha fez uma cartinha pra mim (algo até então inédito e que me fez chorar de ruma, haha); o quarto (301) das meninas que fiquei no projeto me ensinou sobre amor, felicidade e união.. Esperávamos umas pelas outras, e a espera é, pra mim, uma grande forma de demonstrar carinho. Eu poderia citar muitas outras coisas, como sorrisos e belos gestos, mas um cara que me ensinou muito foi o pastor Henrique e os irmãos da sua congregação (ela nos apoiou no projeto), que destilavam amor por onde passavam e renovaram minha esperança na relevância e no impacto que grandes homens e mulheres de Deus podem provocar! Eles dedicaram-se em nos servir durante todos os dias que permanecemos lá, desde as refeições até nos levando de combi para a UFF.

8. Aprendi a melhor amar a Igreja, que nada mais é que o Corpo de Cristo espalhado de formas diferentemente belas pelo mundo. Ficar mais calada, ter paciência e conviver com o diferente foram outros aprendizados marcantes.

9. O foco sempre é Deus. Nem deve ser eu, nem o outro. E isso exige a dolorosa, porém restauradora, renúncia.

10. Nesses dias que passei longe da minha casa e da minha família, compreendi que o refúgio emocional, o lar de Cristo era o próprio Deus, e esse também deve ser o meu, peregrina que sou.

11. A incredulidade do meu coração, no que diz respeito ao poder de Deus na hora de comunicarmos a Sua mensagem, vem sendo retirada. Não preciso me preocupar com o meu “desempenho”, pois “o êxito ao testemunhar consiste simplesmente em tomar a iniciativa de compartilhar Cristo no poder do Espírito Santo, deixando os resultados com Deus”. Isso é dependência e reconhecimento de qual é a minha posição nisso tudo, bem como qual é a de Deus.

12. No primeiro dia que fomos ao campus do Aterrado da Universidade Federal Fluminense, fui negativa ao pensar “nossa, aqui é muito pequeno”. Depois minha discipuladora me fez enxergar que isso poderia ser algo muito positivo. Copo meio cheio ou meio vazio? Deus me ensinou a ser mais positiva, e inclusive comemorar grandes e pequenos avanços do movimento aqui em Natal.

13. Jesus deseja que estejamos em constante crescimento espiritual, pois há muito, muito, muito do que se desfrutar! E esse convite a novas experiências diárias foi algo que vivenciei em todos os dias do projeto durante o Tempo a Sós com Deus.

14. Preciso ter coragem, fé e compromisso. Deus é o único diante de quem posso me curvar. Como Abraão certa vez disse, “o Senhor Deus dará o que for preciso”, e como Agar a Ele se referiu: “o Deus que me vê”, posso também reafirmar a centralidade d’Ele nos meus caminhos, bem como a minha necessidade de ser mais dedicada, pois vale a pena. Vale a pena estar com Ele, “a árvore que dá sombra” (como compreendi num desses dias).

15. O plano de salvação de Deus é perfeito; a maneira como Ele pensou as relações sociais, maravilhosa!

16. EU AMEI VOLTA REDONDA!! Amei conhecer pessoas de tantos lugares diferentes! Conheci também pessoas incríveis no campus da UFF, como Míriam e Isabela, e as levarei no coração para sempre! Todos estão voltando para suas casas, porém a famíia Cru Campus está apenas aumentando!!

 

Um comentário sobre “16 Coisas que Aprendi com um Projeto Missionário

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s